TOTAL SOLAR ECLIPSE AUGUST 21, 2017

21/08/2017

TOTAL SOLAR ECLIPSE AUGUST 21, 2017

Before going straight to the point, as does this event, a bit of clarification about the reflection of tomorrow’s eclipse in each astrological house, I believe the vibration we must irradiate collectively, which is: to make the world less warlike and more pacifist.

Praying, chanting mantras and asking for a higher force are our tools, but above all, creating our reality in our own minds is the powerful definite tool.

Imagine your country and our planet without weapons, with distributed abundance, politicians committed for the less fortunate, less greed, less emptiness, less mediocrity and more progressivism within the elite. A country and a planet with more equality, more opportunities and better conditions for everyone. Imagine a world where practitioners of different religions coexist in peace and respect.

The total eclipse means that something in our life is being ECLIPSED.

The reflection on each person’s birth sky will be related directly to what we have done within the past few months. What have you planted? What did you give attention to? What has your mind been busy with? Your feelings? What directed your actions in the real world?

The results or consequences will manifest with more power right now.

The eclipse is a black out.

May each of us eclipse from our lives that which is unhealthy, negative, and that which delays us and stops us from living our real potential.

May we give birth to a new attitude, a new way of being, of thinking, or feeling and of doing.

Because we create the reality that surrounds us and we affect the quantum field.

 

Leo on the 1st House

Here the eclipse has to do with the strength of your personality, the way in which you apply this strength. It is related to beginnings, initiatives, maybe something is about to start, something that will change your life. Maybe your personality needs to be reborn for you to access this strength. Be noble. Eclipse something negative from your personality. Connect to the true power of your personality.

Leo on the 2nd House

Here the eclipse is related to your possessions, your goods, how you care for your resources, your money. It can be very positive, indicating the birth of a new material status and security. How is your emotional security? How is your material security? Maybe you need to eclipse something about the way you care for your resources to enable their improvement. Create a new way of strengthening your material and emotional security. Create a new way of strengthening your self-confidence and self-esteem. Be careful with your resources and how you use them In the next 3 months.

Leo on the 3rd House

The eclipse here relates to the written and spoken word, with the thought, the mind, the way you communicate, your studies or courses. Renew the way you speak or write. Maybe it is time to throw youreclipse solar total 21 aug 2017self into a new communication project. Maybe it is time to start writing or speaking something. Maybe it is time to share the knowledge you have. Teaching is also learning. Renew the way you communicate with the world.

Leo on the 4th House

The eclipse here is all about family, the house you live in, your emotions, your inner world, your family core, especially the mother. The time has come to get rid of a behavior pattern you might have with your family and create a new way of connecting to it. A new emotional horizon appears. Make use of this energy to eclipse unhealthy and negative emotions that are interfering with your inner and outer development. Clean your home, both internally and externally. A move to a new house or a renovation of the house you live in.

Leo on the 5th House

Here, the eclipse talks about how experience love, pleasure, creativity and fun. Maybe it is time to renew the way you live out your relationship with your partner or children. Eclipse from your life something negative that you do when experiencing pleasure, fun or leisure. Carry out your love, pleasure, fun and creativity in a totally new way.

Leo on the 6th House

The eclipse on the axis of the great karma, spiritual healing, health, work… it is asking for special attention to these subjects. It is time to eclipse a bad habit that is destroying your health. It is time to adopt a new attitude with the way you care for yourself, your physical health and well-being. Maybe your job is too taxing on your well-being and you need to eclipse it. Maybe it is time to abandon a highly remunerated but taxing job so you don’t end up wasting everything on unhelpful medical treatments. You must open some room for a new way to caring for your health. Maybe it is time to start a completely new and creative job. A Renovation of your job and health.

Leo on the 7th House

The eclipse here is related to your marriage, your romantic relationship, your partners and business. Something new can come up within a partnership. Maybe a chance for a new romantic partnership or a renewal of the existing partnership. There is also the possibility of separation, if the existing partnership is already frail. A new way of dealing with the other appears.

Leo on the 8th House

A more delicate house, together with the 12th, to receive this eclipse. A moment for introspection and deep psychoanalytic cleansing. Eliminate damaging emotions and self-destructive inconsistent behavior. This is the axis of crisis, transformation, finance, material and emotional security. Eclipse from your life ways of acting and behaving that make you feel insecure. Eclipse from your life ways of spending money that put you in an insecure and uncertain situation. Retreat yourself during the day of the eclipse. In public, you might find yourself in unpleasant situations. A moment to look deep inside, find and rely on the solutions to your emotional crises, not to look outside.

Leo on the 9th House

Here the eclipse speaks about your ideals, life philosophy, studies, especially master’s degrees, doctorates, academic life in general, travelling to foreign lands and contact with foreign cultures. Maybe you already live abroad and your life is being renewed in that country or changing radically. Maybe your life ideals are changing and your renewal leads you to new studies or to foreign lands. A moment for sharing and marketing your work in new ways. A possibility of visas or a new nationality. Eclipse something negative that stops you from fulfilling your life philosophy. Allow your ideals to be reborn.

Leo on the 10th House

The eclipse on the house of career and public image. Something new is coming up In your profession. A new activity might appear or your profession might be eclipsed, disappear and be replaced with a new activity. It can reflect a new way of doing your job, a rebirth of your professional activity.

Leo on the 11th House

The eclipse here is on the house of friendships, projects, desires and aspirations. An eclipse that puts emphasis on your social life. There might be a renewal on the way you live out your friendships and your social life. A chance for renewing your projects, your desires and aspirations. The time may have come to eclipse a project that has no more space in your life, it became outdated, doesn’t fit you anymore, because you are a new person now. Replace it with new projects and aspirations. Renew your social relations and the way you lay out and lead your personal and collective projects.

Leo on the 12th House

Here, the eclipse is in the house of the great karma, regular spiritual practices, spiritual healing, arts and music. Like the 8th, and equally fragile house to receive this eclipse. A moment for retreat, introspection, interiorizing, connecting with the higher power. Accessing your spiritual strength. Renewing your spiritual activity to avoid melancholy, depression, sadness, isolation. Maybe it is time to commit to a regular spiritual activity to support your health. Use the potential of the eclipse for the 12th house themes, caring for the physical and spiritual health, charity, compassion, love to the other and volunteer work.

Hoping to be useful, always.

Excelsior!

Lilian C Moraes

August 21, 2017

English version by Timotej Valentin Rojko

Anúncios

ECLIPSE SOLAR TOTAL 21 AGOSTO 2017

20/08/2017

eclipse solar total 21 aug 2017Antes de ir direto ao ponto, como indica este evento, esclarecendo um pouco sobre o reflexo do eclipse de amanhã em cada casa astrológica, a vibração que devemos irradiar, coletivamente, é a de que o mundo se torne cada vez menos bélico e mais pacifista.

Rezar, entoar mantras e pedir a uma força superior são ferramentas, mas acima de tudo, a criação da realidade na mente de cada um é ferramenta poderosa e definitiva.

Imagine seu país e o planeta sem armas, com abundância distribuída, com políticos mais comprometidos com os menos favorecidos, com uma elite menos gananciosa, menos vazia, menos medíocre e mais progressista.

Um país e planeta com mais igualdade de chances e condições para todos. Imagine um mundo onde praticantes de diferentes religiões convivam em paz e respeito.

Com um eclipse total, algo em nossa vida está ECLIPSANDO.

O reflexo do eclipse no céu de nascimento de cada um terá direta relação com o que a pessoa tem realizado nos últimos meses. O que você plantou? O que tem ocupado sua atenção? O que ocupou sua mente, seus sentimentos, o que direcionou suas ações no mundo concreto?

Tais resultados ou consequências se manifestarão com mais força agora.

O eclipse  é um apagão, um black-out.

Que seja eclipsado de nossa vida o que é nocivo e negativo, o que nos atrasa e nos impede de crescer e de vivenciar nosso real potencial.

Que nasça uma nova atitude, um novo jeito de ser, de pensar, de sentir, de fazer.

Porque nós criamos a realidade que nos cerca e nós afetamos o campo quântico.

 

Leão na Casa 1

O eclipse aqui tem relação com a força da sua personalidade, com o modo como você aplica esta força. Tem a ver com começos, iniciativas, talvez algo esteja prestes a começar e vai mudar sua vida. Talvez sua personalidade precise renascer para que você possa acessar esta força. Seja nobre. Eclipse algo negativo de sua personalidade. Acesse o verdadeiro poder de sua personalidade.

Leão na Casa 2

O eclipse aqui tem relação com suas posses, seus bens, como você cuida de seus recursos, seu dinheiro. Pode ser muito positivo, indicando o nascimento de uma nova condição material e de segurança. Como está sua segurança emocional e material? Talvez seja preciso eclipsar algo no modo como você cuida de seus recursos, para melhora-los. Crie um novo modo de fortalecer sua segurança material e emocional. Crie um novo modo de fortalecer sua autoconfiança e autoestima. Seja cauteloso com seus recursos e onde os aplica nos próximos 3 meses.

Leão na Casa 3

O eclipse aqui tem relação com a palavra escrita e falada, com o pensamento, a mente, modo como você se comunica, com seus estudos, cursos. Renove o modo como você fala ou escreve. Talvez seja a hora de lançar-se numa empreitada de comunicação. Talvez seja a hora de começar a escrever ou a dizer coisas. Talvez seja a hora de começar a compartilhar o conhecimento que você tem. Ensinar também é aprender. Renove o modo como se comunica com o mundo.

Leão na Casa 4

O eclipse aqui tem relação com a família, a casa onde você mora, suas emoções, seu mundo interior, o núcleo familiar, especialmente a mãe. Chegou a hora de se livrar de um padrão de comportamento com a família e criar um novo modo de se relacionar com ela. Um novo horizonte emocional também surge. Aproveite a energia do eclipse para eclipsar emoções nocivas, negativas, que estão atrapalhando seu desenvolvimento interno e externo. Limpe a casa, interna e externamente. Mudança de casa ou renovação da casa em que mora.

Leão na Casa 5

Aqui, o eclipse tem relação com o modo como você vivencia o amor, o prazer, a criatividade e a diversão. Talvez seja a hora de renovar o modo como vive a relação com seu amor e com seus filhos. Eclipse de sua vida algo negativo que você faz ao viver o prazer, a diversão, o lazer. Exerça o amor, o prazer, a diversão e a criatividade de uma maneira totalmente nova.

Leão na Casa 6

Aqui, o eclipse no eixo do grande karma, da cura espiritual, da saúde e do trabalho, pede atenção especial para estes assuntos. Chegou a hora de eclipsar um hábito que está destruindo sua saúde. Chegou a hora de adotar uma atitude completamente nova ao cuidar de sua saúde e de seu físico, seu bem-estar. Talvez seu trabalho atual esteja cobrando um preço muito alto de seu bem-estar e seja preciso eclipsa-lo. Talvez tenha chegado a hora de abandonar um emprego com uma alta remuneração para não ficar muito doente e ter que gastar todo o gordo salário com tratamentos médicos que não levarão a nada. É preciso abrir espaço para um novo jeito de cuidar de sua saúde. Talvez tenha chegado a hora de começar um trabalho totalmente novo, mais criativo. Renovação no trabalho e na saúde.

Leão na Casa 7

O eclipse aqui tem relação com seu casamento, sua relação afetiva, seus parceiros de negócios. Algo de novo pode nascer numa parceria. Pode surgir a chance de uma nova relação afetiva ou a relação já existe pode renovar-se. Há também a possibilidade de separação, caso a relação afetiva ou parceria já esteja frágil.  Um novo jeito de lidar com o outro está surgindo.

Leão na Casa 8

Uma Casa mais delicada, junto com a Casa 12, para receber este eclipse. Um momento de introspecção e limpeza psicanalítica profunda. Eliminar emoções nocivas, comportamento autodestrutivo inconsciente. Este é o eixo das crises, transformações, finanças, segurança material e emocional. Eclipse de sua vida um jeito de agir que o faz sentir-se insegura/o. Eclipse de sua vida um modo de gastar dinheiro que o/a coloca numa situação de insegurança e incerteza. Recolha-se no dia do eclipse. Em público, pode se defrontar com alguma situação desagradável. Momento de olhar para dentro, para apoiar-se na solução de suas crises emocionais e não de olhar para fora.

Leão na Casa 9

O eclipse aqui tem a ver com seus ideais, sua filosofia de vida, seus estudos, principalmente mestrados, doutorados, vida acadêmica em geral, viagens ao estrangeiro, contato com culturas estrangeiras. Talvez você já more no estrangeiro e sua vida esteja se renovando neste país ou mudando radicalmente. Talvez seus ideais de vida mudem bastante a partir deste ponto, uma renovação que pode ter a ver com estudos e com o estrangeiro. Momento para divulgar seu trabalho de um jeito novo. Pode ter a ver com vistos, uma nova nacionalidade. Eclipse algo negativo que impede você de realizar sua filosofia de vida. Permita que seus ideais renasçam.

Leão na Casa 10

O eclipse na casa da profissão e da imagem pública. Algo de novo está nascendo em sua profissão. Uma nova atividade pode estar surgindo ou sua profissão pode ser eclipsada, pode desaparecer, para que uma nova atividade seja colocada no lugar. Pode refletir um jeito novo de fazer seu trabalho, um renascimento de sua atividade profissional.

Leão na Casa 11

O eclipse na casa das amizades, dos projetos, seus desejos e aspirações. Um eclipse que coloca ênfase na vida social. Pode haver uma renovação no modo como você vive suas amizades, sua vida social. Chance de uma renovação em seus projetos, desejos e aspirações. Pode ter chegado a hora de eclipsar um projeto que não tem mais espaço em sua vida, ficou antigo, não se parece mais com você, porque você é outra pessoa agora. Substitua-o por projetos e aspirações novos em folha. Renove suas relações sociais e o modo como conduz seus projetos pessoais e coletivos.

Leão na Casa 12

Aqui, o eclipse na casa do grande karma, da prática espiritual regular, da cura espiritual, da arte. Uma casa igualmente frágil, como a Casa 8, para receber este eclipse. Momento de recolhimento, introspecção, voltar-se para dentro, conectar-se com o Poder Superior. Acessar sua força espiritual. Renovar sua atividade espiritual para evitar melancolia, depressão, tristeza, isolamento. Talvez seja a hora de assumir uma atividade espiritual regular para apoiar sua saúde. Use o potencial do eclipse para os temas de Casa 12, cuidados com a saúde física e espiritual, caridade, compaixão, amor ao próximo. Trabalho voluntário.

Esperando ser útil, sempre.

Excelsior!

Lilian C Moraes

21 de Agosto de 2017

Jupiter square Pluto – The Alliance or The Fury of the Titans?

29/07/2017

Jupiter square Pluto – The Alliance or The Fury of the Titans?
“To some people, the time might have come, to define if it is really necessary to keep expanding and growing indefinitely. The thirst for obstinate growth generates limitless dissatisfaction, an endless well.”
A square that happens every 5-6 years.
A moment to grow and make a jump. A time to expand an idea or a project.
This square reflects a period where important contacts may appear, contacts with powerful people who can support you and help you fulfill your projects.
With Jupiter square Pluto, there is a battle between two gods who don’t get along. Jupiter condemned his brother into the underworld and so on…
A moment to face your plutonian oppositions in your quest for success, your plans and ambitions. In this obsession to reach the top, you might face powerful obstacles and opponents.
Savage determination, illicit methods for enrichment, unmeasurable ambition, all of this can make you reach the top in record time or earn you a lot of money, but it can be costly. Very costly.
To some people, the time might have come, to define if it is really necessary to keep expanding and growing indefinitely. The thirst for obstinate growth generates limitless dissatisfaction, an endless well.
It is important to use this power at your disposal with wisdom.
Don’t push it too hard. You can conquer that which you have pursued and obsessively desired, but it can cost you way more than you had imagined.
Because of this tendency for obstinate behavior, this square may attract violence or conflict involving authorities.

Thinking big is positive, but don’t forget to take the necessary practical precautions to support this mega(lomaniac) elaboration.

Observe yourself: Your behavior may become exaggerated, compulsive, or turn you into a know-it-all smart-ass.
Jupiter square Pluto can be a reflection of success with money, although the tendency is to push it too hard in order to obtain results and forgetting about small but important details.
Be careful with arrogance and ambition. Don’t overestimate your importance or power.
Don’t try to convince the other into accepting your truth. You might become frustrated. It is not the moment for this.
Perhaps you have too many things to deal with right now, and instead of expanding, the direction will be the opposite.
Reduce your interests, projects and activities. Concentrate yourself on what really matters. You will achieve better results. Otherwise, you might only frustrate yourself.
Religious fanaticism is strong here. Avoid it. It might be unpleasant or even dangerous.
It might be a moment of crisis in your belief system, a moment for transformation with spiritual or religious support, a new vision or a renewal in your beliefs.
Celebrate the small achievements, the small victories, your usual and evident blessings.
A moderate perspective of everything is a good direction for the Jupiter square Pluto.
Exact aspect on 4 August 2017.
The aspect loses strength on 21 August 2017 and completely dissolves by 1 September 2017.
May this text be useful.
Excelsior!

By Lilian C Moraes
English version by Timotej Valentin Rojko

Júpiter quadratura Plutão Aliança de Titãs ou Fúria de Titãs?

29/07/2017

Júpiter quadratura Plutão

Aliança de Titãs ou Fúria de Titãs?

“Para algumas pessoas, pode ter chegado a hora de definir se é mesmo necessário continuar expandindo e crescendo indefinidamente. A sede por crescer de maneira obstinada gera uma insatisfação que não tem fim, um buraco sem fundo.”

Uma quadratura que acontece a cada 5/6 anos.

Momento de crescer, dar um salto. A hora de expandir uma ideia ou um projeto.

A quadratura reflete um período onde podem surgir contatos importantes com pessoas poderosas que podem apoiá-la/lo a realizar seus projetos.

Com Júpiter quadratura Plutão, digladiam dois deuses que não se bicam. Júpiter condenou o irmão à clausura do mundo subterrâneo, etc.

Momento de enfrentar oposições plutonianas na busca pelo sucesso, aos seus planos e ambições. Na obsessão para chegar ao topo, pode se deparar com obstáculos e oponentes poderosos.

Determinação selvagem, meios ilícitos para enriquecer, ambição desmedida podem fazer você chegar ao topo mais rápido ou ganhar muito dinheiro, mas podem custar caro. Muito caro.

Para algumas pessoas, pode ter chegado a hora de definir se é mesmo necessário continuar expandindo e crescendo indefinidamente. A sede por crescer de maneira obstinada gera uma insatisfação que não tem fim, um buraco sem fundo.

É preciso usar o poder à sua disposição com sabedoria.

Não force a barra. Pode conquistar o que perseguia e desejava obsessivamente, mas pode sair mais caro do que você imaginava.

Por causa da tendência ao comportamento obstinado, esta quadratura pode atrair violência ou conflito com autoridades.

Pensar grande é positivo, mas não esqueça de tomar providências práticas para apoiar este elaborar mega(lomaníaco).

Observe-se: seu comportamento pode estar exagerado, compulsivo ou o dono da verdade.

Júpiter quadratura Plutão pode ser um reflexo de sucesso com dinheiro, no entanto, a tendência é forçar a barra para obter resultados e esquecer detalhes pequenos e importantes.

Cautela com a arrogância e a ambição. Não superestime sua importância ou poder.

Não tente convencer o outro da sua verdade. Pode se aborrecer. Não é o momento.

Talvez você tenha muita coisa em seu prato neste momento e, em vez de expandir, o movimento deve ser o oposto.

Diminua interesses, projetos e atividades. Concentre-se no que é realmente importante. Atingirá resultados melhores. Caso contrário, poderá frustrar-se.

Fanatismo religioso em alta. Esquive-se disso. Pode ser desagradável ou perigoso.

Pode ser o momento de uma crise em seu sistema de crenças, o momento de uma transformação com apoio espiritual ou religioso, uma outra visão, uma renovação em suas crenças.

Celebre as pequenas conquistas, as pequenas vitórias, suas bençãos mais evidentes e corriqueiras.

Uma perspectiva modesta e moderada das coisas é uma boa direção para a quadratura Júpiter-Plutão.

Aspecto exato em 04 de Agosto de 2017.

O aspecto perde força em 21 de Agosto de 2017 e se dissolve totalmente em 01 de Setembro de 2017.

Que este texto seja útil.

Excelsior!

VERDADE INTERIOR. Porcos e peixes. Boa fortuna! É favorável atravessar a grande água. A perseverança é favorável. 

06/07/2017

VERDADE INTERIOR.
Porcos e peixes.
Boa fortuna! É favorável atravessar a grande água.
A perseverança é favorável.

Porcos e peixes são os menos inteligentes entre os animais e, portanto, os mais difíceis de influenciar. É necessário que a força da verdade interior chegue a um grande desenvolvimento para que possa exercer influência sobre tais seres. Quando se tem que lidar com pessoas tão rebeldes e difíceis de influenciar quanto esses animais, todo o segredo do sucesso consiste em encontrar o modo correto de abordá-las. Em primeiro lugar, é preciso procurar se libertar-se de qualquer preconceito. Deve-se como que deixar que a psique do outro atue sobre si sem qualquer restrição. Assim se pode estabelecer um contato com o outro, compreendê-lo, e adquirir poder sobre ele. 71Quando uma porta assim se abre, a força de sua personalidade vem a influenciá-lo. 72 Deste modo, não havendo mais obstáculos intransponíveis, pode-se empreender até mesmo as coisas mais perigosas, como atravessar a grande água, e se terá sucesso. Mas é importante compreender as condições das quais depende a força da verdade interior. Essa força não é idêntica a uma simples intimidade ou a ligações secretas. Vínculos estreitos podem existir, também, entre ladrões; neste caso representam, sem dúvida, uma força que, porém, não é invencível, pois não conduz à boa fortuna. Toda associação baseada em interesses comuns mantém-se apenas até certo ponto. Onde cessa a comunhão de interesses, termina também a solidariedade e a mais íntima amizade, com freqüência, se transforma em ódio. Somente a aliança que tem seus fundamentos no que é correto e constante pode permanecer sólida e inquebrantável, superando toda adversidade. 73

I Ching , o livro das mutações

Tradução do texto original de Richard Wilhelm

hexagrama 61 Chung Fu

A FLORESTA ESTÁ VIVA – DAVI KOPENAWA YANOMAMI

02/09/2015

“A floresta está viva. Só vai morrer se os brancos insistirem em destruí-la. Se conseguirem, os rios vão desaparecer debaixo da terra, o chão vai se desfazer, as árvores vão murchar e as pedras vão rachar no calor. A terra ressecada ficará vazia e silenciosa. Os espíritos xapiri, que descem das montanhas para brincar na floresta em seus espelhos, fugirão para muito longe. Seus pais, os xamãs, não poderão mais chama-los e fazê-los dançar para nos proteger. Não serão capazes de espantar as fumaças de epidemias que nos devoram. Não conseguirão mais conter os seres maléficos, que transformarão a floresta num caos. Então morreremos, um atrás do outro, tanto os brancos quanto nós. Todos os xamãs vão acabar morrendo. Quando não houver mais nenhum deles vivo para sustentar o céu, ele vai desabar” – Davi Kopenawa, xamã e líder político dos yanomami – CartaCapital, 02-09-2015.

A BATALHA DE HUMAITÁ – Alceu Castilho @alceucastilho

10/08/2015

A BATALHA DE HUMAITÁ – Alceu Castilho
Cena 1. Terra Indígena TENHARIM, km 123 da Rodovia Transamazônica, sul do Amazonas. 27 de dezembro de 2013. De um lado da ponte sobre o Rio Marmelos, de Manicoré para Humaitá, centenas de homens, 50 deles armados. Do lado de Humaitá, 100 guerreiros da etnia Tenharim, 50 de cada lado da estrada. Também armados. ZELITO TENHARIM, funcionário da Fundação Nacional do Índio (Funai), está no grupo que liga do orelhão para o ministro Gilberto Carvalho, da Secretaria-Geral da Presidência da República. O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e a presidente da Funai também participam da conversa. E ouvem, ao fundo, os gritos da multidão. Todos ouvem a exigência do Cacique Léo Tenharim: a Polícia Federal deve ser mandada para o local em meia hora, “senão vai ter derramamento de sangue”. Naquele momento, o grupo liderado por comerciantes, madeireiros e pecuaristas de Apuí e do distrito de Santo Antônio do Matupi avançava sobre a ponte e queimava os postos de pedágio em Terra Indígena. Quando chega a PF, dispersam. Os Tenharim assistem à cena. Os mais velhos somem para o meio da mata. “Quando viram aqueles homens de preto acharam que era o fim do mundo”, conta Zelito, rememorando o episódio. Mulheres e crianças também fogem. Nove ficam perdidos: três mães, com três crianças de colo, duas crianças de 2 anos e um menino de 10 anos, Laudinei Tenharim. Dias depois são resgatados, traumatizados, com febre e ferimentos. Na sexta-feira, 3 de janeiro, sete famílias ainda estavam no meio do mato.

Cena 2. Agência do Banco do Brasil de Humaitá. Primeiro dia útil de 2014. À frente do repórter da Pública, na fila de hora e meia para o caixa, dois pecuaristas, pai e filho, ambos de chapéu de palha. O pai com corrente de ouro na camiseta semiaberta, relógio de ouro, pulseira de ouro. Na ponta da corrente, Jesus Cristo. Chega um amigo e senta ao lado do pai. Eles conversam, sem se preocupar em baixar o tom de voz, sobre o assunto que domina a cidade naqueles dias: os indígenas, ou “índios”, como dizem. “Você pode matar uns dois ou três”, raciocina o amigo. “Mas cinquenta?” Ele continua: “Joga o carro em um, em outro, mas e aí?” Depois passam a falar de negócios. O pecuarista conta, com orgulho, que somente entre o Natal e o Ano Novo vendeu mil arrobas de boi. Em outro grupo, um comerciante, um amigo e um policial rodoviário federal. O comerciante conta que participou do confronto com a polícia, na noite de Natal. Mas recuou após o primeiro tiro de borracha. O policial observa que bala de borracha mata. O amigo expressa a teoria de que os americanos “mataram os índios deles e vêm aqui defender os nossos”. O comerciante acha que os incêndios ateados no fim do ano – em prédios e carros indígenas – valeram a pena. O amigo contesta: “Valia se eles não pisassem mais aqui em Humaitá”.

Cena 3. No dia do Natal, desde as 8 horas da manhã, um carro de som do Xexéu, dono da boate Xexelândia, passa conclamando os moradores a fazer protesto. Não se trata mais de exigir investigações policiais, como querem os parentes de Luciano Ferreira Freire, Stef Pinheiro e Aldeney Ribeiro Salvador, desaparecidos na região no dia 16 de dezembro; todos ali já elegeram “os índios” como culpados. A balsa que liga a Avenida Transamazônica à Rodovia Transamazônica, atravessando o Rio Madeira, é o ponto de encontro dos manifestantes desde a véspera, quando os moradores bloquearam o acesso à balsa. Comerciantes do município bancam pizza, cachorro-quente, transporte. Lá estão também os parentes dos desaparecidos. As mulheres passam mal: a mãe de Luciano, a mulher de Aldeney. Uma, com hipertensão. Outra, com princípio de infarto. No fim da tarde os manifestantes percorrem a cidade gritando: “Vamos queimar”. “Vamos queimar os carros dos índios”. As viaturas e ambulâncias deixam o local. Perto da balsa, Luzineide Freire, irmã de Luciano, se vê sozinha de repente. Contrária às depredações, ela ouve os gritos daqueles que estão ali perto, em frente da Funasa, queimando a Sede da Secretaria Especial de Saúde Indígena. Depois, contaria: “Parecia filme”.

Cena 4. No dia 2 de janeiro, e somente naquela quinta-feira, as famílias de Luciano, Aldeney e Stef recebem um pedido dos policiais federais: eles querem roupas usadas dos desaparecidos para que os cachorros possam farejar as pistas. Dezoito dias após a notícia do sumiço. “Dezoito dias!”, exclama Luzineide Freire, irmã de Luciano. A avó de Luciano, que o criou, já tinha lavado quase tudo – por sorte uma camiseta do Corinthians escapou do tanque. “É um descaso total, uma lentidão muito grande”, diz a irmã. Os parentes sentem-se isolados, sem apoio. Luzineide e sua mãe saíram de Porto Velho com as roupas do corpo. E ficaram dependendo da ajuda de amigos. “A gente está a ver navios”, define ela. “E o dia não espera, passa rápido”.

Cena 5. O ano de 2014 começa e a entrada da sede da Funai, em Humaitá, continua sob escombros. Um funcionário trabalha como porteiro de ninguém, em meio aos vidros e pedaços de carro. À frente, os dez veículos da fundação destruídos, queimados no início da noite de Natal. Nas carrocerias, restaram apenas os botijões de gás para contar a história. Os vizinhos contam que o momento mais tenso foi quando houve explosões, em meio aos coquetéis molotov e os tanques de gasolina dos carros destruídos. “Não tinha como não chorar”, conta Claudinei, morador da casa ao lado. “Queriam invadir por aqui”, completa Maria, sua mulher, em pânico por causa das crianças. Ao lado da Funai, no estacionamento, uma voadeira e três motos: todas queimadas. Diante do cordão formado pelos policiais, os manifestantes atiravam pedras e rojões e jogavam as garrafas com gasolina nos carros. O comandante do 54º Batalhão de Infantaria da Selva mandou fechar os postos de combustível para deter os incêndios. Motoqueiros, porém, ofereciam o que tinha em seus tanques. Um caminhão-pipa do Exército estava por ali. “Mas não tinha como chegar”, lembra Claudinei. O prédio se salvou, mas os funcionários da Funai tiveram de fugir para Porto Velho. A perícia? A perícia ainda não foi feita. O local do crime ainda não foi isolado.

Cena 6. Na frente da sede da Funasa, em plena Avenida Transamazônica, uma Hilux queimada, continua no local. Na mesma noite de Natal, os incendiários saíram da sede da Funai e passaram na Casa de Apoio à Saúde Indígena (Casai). Dona Nirla Belfort dos Santos, vizinha da Casai, conta que quase queimaram o imóvel.“Tinha um que dizia: ‘Toca fogo’”. Diante dos apelos dos vizinhos, desistiram. Mas seguiram adiante para incendiar a sede da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), que fica no mesmo terreno da Funasa. O prédio está em ruínas. “Uma amiga ia fazer cirurgia, não pode”, conta Naiara Santos, de 24 anos, Tenharim. “Os exames foram queimados. Há pessoas com câncer, sem atendimento”. Ao fundo do terreno, mais três carros queimados. Perto do muro, um carro da Funasa com um vidro quebrado e uma inscrição na lateral, feita com o dedo na poeira: “Índio”. O local do crime também não foi isolado para perícia. Na orla, no Terminal Hidroviário de Humaitá, mais um alvo: o barco N/M Kagwahiwa, responsável pelo atendimento às comunidades ribeirinhas. Queimado.

Cena 7. Diante do caos, o comandante do 54º Batalhão de Infantaria da Selva, tenente-coronel Antonio Prado, decide abrigar os 115 indígenas – a maioria Tenharim – que estavam na cidade nesse período de Natal. O comandante recebe uma ligação de um general, que avisa: “Não toque em um fio de cabelo dos índios”. Manifestantes revoltam-se com a proteção dada pelo coronel. Querem capturar sua mulher. Para protegê-la, cem soldados do Exército vigiam a Vila Militar, onde moram as famílias dos militares. Ficam deitados no chão. Os moradores da vila ficam uma semana sem poder sair de casa. No quartel, uma das três Tenharim grávidas dá à luz, em pleno Natal.

Cena 8. Na véspera do Réveillon, o prefeito Dedei Lôbo cancela os festejos na orla do Rio Madeira, que forma, junto com a Avenida Transamazônica, o cinturão básico que delineia a cidade de Humaitá. Por mensagens pelo celular e pelo Facebook, os moradores articulam uma invasão: “Às 17 horas, queimar a prefeitura”. “A cidade todinha tava sabendo”, contam os humaitenses. Note-se que, neste caso, os fatos nada têm a ver com questão indígena. Os policiais rodam freneticamente pela cidade e vigiam as entradas. Em especial a que vem de Porto Velho e a que sai para a Transamazônica, por uma balsa. Na beira do Rio Madeira, no início da noite, a prefeitura não foi queimada, e os policiais ainda estão lá. Bem do lado do rio, uma pequena fogueira. Ao lado, uma placa: “Perigo. Alta tensão”.

Cena 9. Cerca de 500 pessoas, com a maioria absoluta de mulheres e muitas crianças, participam do ato anual pela paz em Humaitá, promovido pela igreja católica, no dia 1º de janeiro. Os locutores apresentam dados sobre violência e pedem justiça e eficiência nas investigações. “Queremos paz, não a guerra”, diz o locutor. “Queremos nossos maridos vivos”, “Queremos igualdade para todos”, ecoam as faixas na caminhada com a presença dos parentes dos desaparecidos. Ao lado da praça Dom Miguel D’Aversa, entre a Câmara Municipal e a Igreja de Nossa Senhora da Imaculada Conceição, de frente para o Rio Madeira, o bispo Francisco Merkel faz o discurso final. “A ocupação da Amazônia teve mortes, estupros e muito sofrimento”, diz o bispo. Passado um tempo, veio “o pedágio, o confronto”. E dá o recado: “Não podemos fazer justiça. A justiça é um monopólio do Estado. O que temos é o direito de cobrar o Estado, a União, os estados, os municípios, o judiciário, a polícia, para que cumpram suas funções. O problema deste país é que não cumprimos as funções que nos competem. Um clima de injustiça não gera paz”.

A Pública passou uma semana em Humaitá – uma cidade onde nem os Tenharim, nem os Parintintin, nem os Jihaui podem pisar, sob pena de serem espancados e mortos. Não apenas por comerciantes e pecuaristas, mas por moradores que, como eles, vivem na pobreza. Por trás dessas cenas de insurreição, detonada pela suspeita de que os indígenas seriam os responsáveis pelo desaparecimento dos três brancos, a Pública descobriu uma teia de conflitos e contradições que desembocou, primeiro, na culpabilização dos indígenas, antes de qualquer investigação séria – cobrada por eles e pelos parentes dos desaparecidos. Em segundo lugar, na violência. No rastro dessa desastrosa história em que a versão dos indígenas quase sempre é ignorada, deparou com diversos – e antagônicos – pontos de vista. Em todos eles há uma denúncia em comum: a omissão do Estado.

CONDENADOS PELO PRECONCEITO, INDÍGENAS VIVEM APARTHEID
Antonio Mendes Leal, o Seu Tonico, 67 anos, era amigo de Ivan Tenharim, o cacique de 45 anos que caiu da moto e morreu, no dia 3 de dezembro. Conhecia-o desde que ele tinha 15 anos. “Era um cara muito bom, nunca vi ninguém falar dele”. No hotel de Seu Tonico, na Rodovia Transamazônica, Ivan pagava R$ 30,00 para ficar com a família, no quarto com duas camas e armador de redes. Quando ia sozinho, o que era mais raro, pagava R$ 15,00.

Em geral o cacique ia uma vez por mês a Humaitá, para compras e para resolver documentação. Por exemplo, no cartório, para registrar nascimentos. A morte do cacique Ivan Tenharim foi um momento-chave nos conflitos do fim de ano. Parte dos indígenas levantou a hipótese de que não teria sido um acidente, o que foi repercutido pelo então coordenador da Funai na região, Ivã Bocchini, que seria exonerado no início de janeiro. Esse fato acabou sendo visto pela população de Humaitá como motivo – uma suposta vingança – para o desaparecimento dos três brancos. Bocchini e os outros funcionários da Funai tiveram de se refugiar em Porto Velho.

Seu Tonico chamava a mãe de Ivan Tenharim de comadre. “Ela gosta muito de mim”, ele conta. Diante dos acontecimentos do fim de ano, porém, recusa-se a receber novamente indígenas em seu hotel. “Prefiro perda total a tê-los aqui”. Ele atribui o desaparecimento dos três brancos aos indígenas e diz que os Tenharim eram bons “até o pedágio”, cobrado daqueles que atravessam a Terra Indígena. “Aí vieram os moleques para estudar aqui, beber, fumar droga”, diz. Ao lado do ex-vereador Cícero Pedro dos Santos, o Cição, conta histórias sucessivas de “abusos” em relação ao pedágio. Segundo ele, as outras etnias não causariam problema nenhum. “De toda maneira, sendo índio eu não quero aqui. Nunca”.

O pedágio se tornou central na narrativa sobre os Tenharim. Mesmo Dom Francisco Merkel, o bispo de Humaitá, considera a cobrança central para a origem do confronto. Difícil achar um morador favorável à cobrança do que os Tenharim definem como compensação. Um deles fez questão de entregar à reportagem um recibo de um Toyota, com carimbo dos indígenas. “Cem reais”, revolta-se. “Cem reais!” O madeireiro Nelson Vanazzi considera o frete da Transamazônica “o mais caro do Brasil”. “Os madeireiros do 180 estão a cada dia com mais prejuízo”, afirma.

No momento, Humaitá vive um apartheid. Após ficarem presos no quartel, nos dias que seguiram ao Natal, os Tenharim voltaram antes do Ano Novo para a Terra Indígena. Não podem retornar a Humaitá, mesmo que trabalhem na prefeitura. Não podem comprar alimentos ou remédios. A hostilidade da maioria dos moradores ouvidos ocorre no plural, em relação a todos os indígenas, não apenas aos que acusam de algum crime.

A dor dos parentes

Do lado dos parentes dos desaparecidos, mais dor. A casa da avó de um deles, o vendedor Luciano, virou uma espécie de QG dos parentes, em Humaitá. Lá estão a mãe e a irmã dele, Luzimar e Luzineide, de Porto Velho. E lá passam o dia outros parentes, como Célia Leal, mulher de Aldeney. O terceiro desaparecido, Stef, é de Apuí, um município vizinho.

Muito chocadas, as mulheres não falam muito. Ficam atentas às notícias e procuram dar força umas às outras. Com os boatos, se acostumaram. (Houve várias notícias falsas sobre o encontro de corpos esquartejados, “esquartejados vivos”, e assim por diante.)

Luzimar e Luzineide contam que só na quinta-feira, dia 2, receberam uma visita do prefeito. A pedido dos parentes. “Só hoje”, repetia Luzineide. Ele levou uma psicóloga e uma assistente social. Luzineide: “Hoje”. No mesmo dia em que a Polícia Federal foi pegar as roupas usadas para o trabalho dos cães. “Hoje”.

Luciano é descrito pelas duas como um homem tranquilo, caseiro. Ele fez 30 anos na véspera de Natal. A mãe mostra-se mais atordoada. E emocionada: “Meu coração diz que o filho está vivo”. Alguém fala dos índios. Ela reage balançando a cabeça e fazendo um barulho com os lábios: “Não posso nem ouvir a palavra índio, brrr”. Embora critique o que considera proteção excessiva aos indígenas, a irmã de Luciano, Luzineide se posiciona contra os protestos violentos – e incendiários – do fim de ano. “Morte não se paga com morte. Para isso tem a justiça. Quero que eles paguem. Só isso. O que queremos é paz”.

Célia aponta Aldeney, gerente da Eletrobrás, como um romântico, um namorado à moda antiga. “Homens choram de saudade dele, os cunhados choram”, conta Célia. Aldeney mora em Humaitá, mas tem casa no “180”, o distrito de Santo Antônio de Matupi, e todo fim de semana viaja para ficar com ela. Devota de Nossa Senhora Aparecida, Célia diz que conversa com Deus para ganhar força. Por isso, a passeata promovida pela Igreja de Nossa Senhora da Imaculada Conceição, no dia 1º, lhe fez bem. “A gente se viu só”, diz.

“TEM QUE MATAR UM POR UM”
Sobre a noite de Natal, parece haver um consenso em Humaitá: teriam matado os indígenas se eles estivessem na rua. “Tem de matar um por um”, afirmava uma motoqueira, no dia 30, em um bar perto da balsa. Também são muitos os que justificam os incêndios contra bens públicos relacionados aos indígenas. “Achei que foi bem empregado terem feito isso aí”, diz Seu Tonico, sobre os incêndios. “Moleques andavam tudo noiados aí, de carro novo”. Boa parte dos moradores de Humaitá se refere ao quebra-quebra com naturalidade, minimizando a violência. Para eles, se tratou de uma forma de “chamar a atenção” das autoridades.

Essa expressão foi uma das mais utilizadas no período em que a Pública esteve no município. Mais comum que ela, só as frases sobre os “privilégios e regalias” que seriam desfrutados pelos indígenas. Do discurso não fazem parte as muitas outras ilegalidades em que a região é pródiga: crimes ambientais, grilagem, matanças e perseguições.

Em um hotel lotado de policiais, a reportagem foi procurada por um indígena que acabara de ser expulso de casa. Não quis dar o nome, por segurança. “Queriam queimar minha casa”, contou. Esse Tenharim nunca morou na aldeia. E mesmo assim sofre retaliações. Na porta do hotel, de moto, um rapaz de camiseta branca nos encarava. Diante de um olhar interrogativo, saiu, deu uma volta. Dali a pouco passava novamente. E nos olhava com ódio.

Mesmo entre os que pensam de outra forma, os preconceitos contra os indígenas se revelam facilmente. “Se não deixarem voltar [para Humaitá] é uma ignorância”, afirma Raimundo Nonato do Nascimento, vizinho da sede da Funai. Em seguida, acrescenta que conhece “índios que trabalham”, reproduzindo o discurso da “preguiça”, que estigmatiza os indígenas.

EM TERRA TENHARIM, O CLAMOR É POR INVESTIGAÇÃO POLICIAL
Um dos únicos a não fazer nenhum senão em relação aos indígenas foi o taxista que levou a reportagem à Terra Indígena Tenharim Marmelos. “Estão no direito deles”, repetiu várias vezes durante o percurso. Ali, a Pública foi recebida por um grupo de 20 indígenas, na manhã da quinta-feira, dia 3 de janeiro.

Ao ouvirem do repórter as declarações de Seu Tonico, de que não aceitará mais indígenas em seu hotel, os Tenharim ficaram em silêncio. Com os olhares fixos, chocados. Aquele era o lugar onde eles ficavam em Humaitá. Não disfarçaram a decepção e não souberam o que dizer. Mas falaram sobre os desaparecimentos, negando qualquer responsabilidade.

Mais do que isso: “Por que a Polícia Federal não abre outras linhas de investigação?”, perguntava o cacique Ivanildo Tenharim. Ao contrário dos moradores de Humaitá, que os acusam sem exigir provas, eles querem uma apuração mais ampla dos desaparecimentos. “A PF está focada na aldeia e não mexe com os principais”, dizem. “Com certeza quem fez isso está achando graça”.

Até o momento, nem imprensa nem a polícia aventam a possibilidade de outra linha de investigação. E os Tenharim apresentam outras hipóteses que mereceriam a atenção dos investigadores. Falam de homens suspeitos que utilizam a Rodovia do Estanho, que liga a Transamazônica a Machadinho D’Oeste, em Rondônia, e segue para o Mato Grosso. A rodovia começa logo após a Terra Indígena, no quilômetro 150 – muito perto de onde policiais localizaram um carro queimado que acreditam ser dos desaparecidos. “É uma via de concentração de fugitivos”, afirmam. Eles contam que esses homens teriam uma base em Santo Antônio do Matupi, no distrito de Manicoré, mais conhecido como “180” – já que fica nesse quilômetro da Transamazônica. Eles e muitas pessoas em Humaitá chamam o “180” de “vila dos sem-lei”. É a terra de madeireiros, dos pecuaristas, símbolo da fronteira agropecuária do sul do Amazonas.

Os Tenharim também reivindicam segurança na reserva; segurança para os indígenas que residem em Humaitá; segurança para quem vai temporariamente para a cidade; um Grupo de Trabalho que aja para solucionar o problema. Doze servidores precisam voltar ao trabalho – entre eles o próprio Ivanildo, coordenador de Educação Escolar Indígena de Humaitá. “Estamos preocupados com o trabalho, não com o emprego”, diz ele. “Temos prazos que podemos perder”.

Zelito Tenharim, funcionário da Funai, reivindica a liberação de recursos para que a Coordenação Regional do Madeira – cuja sede foi destruída no Natal – volte a funcionar. Ele exige a segurança dos funcionários públicos e dos indígenas. “Que priorizem esta situação que estamos passando”.

Também há pessoas em tratamento que precisam ir ao médico todo mês. Caso dos hipertensos, como a mãe de Domá Tenharim. “Não tem ninguém para medir a pressão dela”, diz ele. Os indígenas estão usando medicamentos tradicionais, “mas o efeito é muito lento”. Mesmo antes dos atentados aos prédios faltavam medicamentos, principalmente de média e alta complexidade. Por isso, em relação aos casos mais complexos, os Tenharim já resolveram: querem ser atendidos apenas em Porto Velho.

O cacique Aurélio Tenharim faz questão de assinalar que não é por medo que estão deixando de ir a Humaitá. “Estamos dando um tempo. A gente não quer confronto nem tragédia”. Por isso eles pedem que os órgãos que trabalham com a população indígena atendam na aldeia.

PEDÁGIO OU COMPENSAÇÃO AMBIENTAL?
Ivanildo conta que a Secretaria Especial de Saúde Indígena fez um levantamento, antes da destruição de sua sede, e constatou que há muita desnutrição, entre crianças e idosos. No dia da visita da reportagem à aldeia as crianças comiam milho e mandioca. Dias depois Aurélio disse que já tinha acabado a carne de caça e pesca.

Das 14 escolas, só duas são de alvenaria. Três são de madeira. O resto funciona em casas, cedidas pela comunidade. Estudante de Pedagogia na Universidade Federal do Amazonas, Ivanildo quer a produção de material didático específico. Mas são necessários técnicos. “Hoje os indígenas que têm escolaridade conseguem por esforço individual, não por apoio do governo”.

Diante desse quadro de abandono, os indígenas tomam suas próprias providências como a cobrança do “pedágio”, que consideram um termo inadequado. “Para nós é cobrança de compensação pelo usufruto da TI Tenharim”, define o cacique Aurélio Tenharim. Ele diz que a cobrança, distribuída por todas as famílias, não veio para enriquecê-los, mas para mitigar os problemas trazidos pela Transamazônica: “Ela trouxe matança, doença, prostituição, escravos, invasão; é um imposto ambiental e social”.

Segundo ele, um levantamento do impacto social desde a abertura da rodovia foi feito e entregue pelos Tenharim ao Ministério Público Federal no Amazonas e à Funai. “Está documentado que isso foi analisado e proposto para o governo. Não tivemos resposta”, conta.

Os Tenharim já anunciaram que vão reconstruir os postos e recomeçar as cobranças em fevereiro. Enquanto isso, em Humaitá, o comerciante Fernando Pereira de Maria afirma que se o governo não tirar o pedágio vai ter de manter policiamento. “Senão vai ter enfrentamento”, afirma. Fernando é dono do restaurante Na Brasa, na avenida Transamazônica, um dos únicos da cidade. Como tal, acaba reunindo personagens centrais dos conflitos em Humaitá. Por ali costumavam comer Luciano, Aldeney e Stef, os três desaparecidos. E também o cacique Ivan Tenharim.

DANDO NOMES AOS BOIS
Os Tenharim dão nomes aos que incitaram a violência em Humaitá. Comerciantes, madeireiros, políticos. Entre eles Adimilson Nogueira (DEM), prefeito de Apuí, o vice-prefeito de Humaitá, Herivânio Freitas (PTN), e três vereadores de Humaitá, Manicoré e Apuí. Entre os empresários, mencionam donos de supermercado e donos de hotéis. No caso do 180, a “vila dos sem-lei”, os Tenharim apontam Eduardo Gervásio, líder dos produtores rurais. “Ele chamou a população do 180 para invadir a aldeia”, denunciam. “O pessoal já vinha anunciando há dois dias que ia queimar”, conta Zelito Tenharim. De imediato a gente ligou para a presidência (da Funai). Mas a proteção demorou muito. Pensamos: será que isso vai acontecer mesmo? E deu no que deu”.

Zelito e Aurélio Tenharim contam detalhes sobre a ligação para o ministro Gilberto Carvalho, da Secretaria-Geral da Presidência, e sobre conversa telefônica naquele dia 27 de dezembro, com a participação do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e da presidente interina da Funai, Maria Augusta Assirati. “Todos eles ouviram o cacique Léo dizer: ‘Se as autoridades não se posicionarem, vai haver derramamento de sangue”.

A primeira a ser contatada, naquele dia, foi a Secretaria Especial de Direitos Humanos, que funciona durante 24 horas. Os manifestantes, vindos de Santo Antônio do Matupi e de Apuí, chegaram às 10 horas do dia 27. “As casas pegavam fogo e o povo gritava na estrada”, relatam. Os guerreiros receberam a seguinte instrução: “Não atirem enquanto eles não atirarem”. Ninguém atirou.

Os indígenas observam que são chamados de bandidos e sequestradores pelos brancos de Humaitá, “mas em nenhum momento, mesmo eles invadindo patrimônio público utilizado pelos indígenas, a gente revidou”. E destacam: “Apenas ficamos na aldeia. Porque a gente tem controle da comunidade”.

As fotos reunidas pelos Tenharim da destruição da sede da Funai mostram pessoas mascaradas, ou com o rosto coberto por capacetes. Segundo os indígenas, são principalmente jagunços, contratados pelos comerciantes e fazendeiros. Também dizem que os donos de supermercado deram R$ 1.000 para cada um dos homens que lideraram os incêndios em Humaitá. “Eles que fizeram aquele estrago na Funai, no Sesai, no barco e aqui na estrada”, afirmam. “O resto da população ficava assistindo, fazendo número”.

Aurélio Tenharim é incisivo a respeito: “Foram contratados. Não é uma versão, são fatos”. Eles dizem que ficaram sabendo do pagamento aos jagunços por uma pessoa que foi chamada para fazer o serviço e se recusou. “Quase foi linchado por isso”, contam os Tenharim. “E o pessoal que gosta de indígenas contou que viram arrecadar”.

Um nome desponta como um dos mais mencionados entre os que incitaram a violência: o empresário conhecido como Neguinho dos Cachorros, dono de açougue e dono da Agroboi. A reportagem o procurou na Agroboi, em Santo Antônio do Matupi, mas ele não estava.

Na cidade, a versão é a de que não havia ninguém de fora durante os incêndios, que eram pessoas de Humaitá, conhecidas. Os Tenharim também apontam um segurança de banco entre os agressores. Uma foto mostra esse homem sendo imobilizado pela polícia. A Polícia Federal também investiga os líderes da rebelião. Ao contrário da investigação sobre os desaparecimentos, ela está sendo feita em silêncio. Até agora não chegou aos jornais.

Macondo é aqui

Em meio a fatos concretos, como o pedágio, e o desaparecimento de três pessoas, Humaitá virou uma espécie de Macondo, em meio ao milagre da multiplicação de boatos. A cidade imaginária do colombiano Gabriel García Márquez move-se a partir do fatalismo.

Como ninguém aventa a possibilidade de que não tenham sido os indígenas os responsáveis pelos três desaparecimentos, eles são retratados como vilões. E os moradores repetem as mesmas frases, as mesmas histórias sobre eles. Que andam de Hilux. Que são ricos. Que não pegam fila de banco nem de hospital. Que queimam todos os corpos das pessoas que matam.

O boato mais popular era o dos pajés. Que um pajé tinha informado que um carro preto atropelara Ivan Tenharim. E por isso os Tenharim tinham matado as pessoas do primeiro carro preto que viram. O repórter comenta com a advogada Altanira Ulchoa, amiga dos parentes dos desaparecidos, que não há pajés entre eles. Ela retruca: “Têm pajés, sim. O Seu Ramos disse que tem pajé lá e que se chama Sadam”. Ela fala com ênfase, arregalando os olhos. E não está brincando: realmente acredita que haveria um pajé chamado Sadam.

Aos boatos se soma a desinformação. E um sentimento de inveja em relação ao que seriam “privilégios” e “regalias” dos indígenas. As duas palavras são muito citadas. Na saída de um cartório, um ex-advogado da prefeitura fez questão de falar das tais regalias: “usam brinquinhos, caminhonetes”. “Se misturaram muito”. Outro morador criticou o uso de piercing.Uma crítica muito recorrente é ao fato de eles dizerem, segundo os brancos, que “são federais”. Ou seja, que só a Polícia Federal poderia prendê-los.

Os Tenharim respondem com um misto de indignação e sarcasmo a algumas das acusações. “Onde é que tem um Hilux?”, perguntava Aurélio Tenharim na sexta-feira, 3 de janeiro. Ele teve uma Saveiro queimada. “Os índios que possuem carro têm porque trabalham com eles. Um dos Tenharim mostrou a casa sem cobertura. “Não tenho dinheiro para comprar um Eternit, imagina Hilux”, disse Moisés Tenharim.

Em setembro, o procurador Julio José Araujo Junior, do Ministério Público Federal, informava sobre as “péssimas condições de conservação” da Casa de Saúde Indígena, “oferecendo riscos de contaminação e desconforto aos pacientes em tratamento”, sendo urgente nova estrutura de acomodação “para garantir condições dignas de internação e eficiência nos tratamentos”. O mesmo Ministério Público proibiu, após o Natal, a veiculação de conteúdo racista nos sites e blogs da região. Eles se tornaram uma central de boatos – e de propagação do ódio contra indígenas. No limite da incitação à violência.

Na sede da rádio comunitária, a FM 104, comandada pelo madeireiro Nelson Vanazzi, a Polícia Federal entrou e inquiriu o locutor. Para a indignação de Vanazzi, que acusou os policiais de truculência.

A SEGUNDA PARTE DESTA REPORTAGEM SERÁ PUBLICADA AMANHÃ
http://www.apublica.org/2014/01/batalha-de-humaita-tenharim/

‘Os planetas exteriores e seus ciclos – Uma astrologia do coletivo’, Liz Greene, tradução de Nazaré Abreu e Christianne Rossi, 1983

10/07/2015

“É interessante fazer algumas considerações a respeito do que acontecia quando Plutão foi descoberto. Antes de mais nada, a descoberta de Plutão coincidiu com a ascensão do Terceiro Reich. Voltarei a falar sobre esta ligação, porque acredito que existem muitas coisas a respeito de Plutão que ainda não compreendemos e estou convencida de que existe uma relação clara entre Plutão e o fenômeno psicológico da Alemanha nazista. O que aconteceu durante a II Guerra Mundial ainda é um grande mistério. Um mistério que não pode ser explicado simplesmente através de análises políticas e econômicas. Algo extremamente obscuro e primitivo eclodiu na sociedade. Atualmente, vivemos uma tendência simplista de culpar a Alemanha, mas não me parece que tenha sido assim tão simples. Alguma coisa, que eu acredito tenha algo a ver com a sombra do coletivo, estava fora dos eixos na época da descoberta de Plutão. Houve, obviamente, outras erupções desta espécia na história. Em todos os países do mundo, ocorreram massacres, caça às bruxas e genocídios. Porém, a última versão desta peculiaridade implicou uma manipulação bem sucedida de forças mais primitivas ou bestiais. E acredito que a chave do poder sobre estas energias está relacionada com Plutão.
Sempre existiram ditadores loucos, mas o Terceiro Reich foi o primeiro que, para conquistar seus objetivos, usou de conhecimento psicológico.
Os ditadores, geralmente, se impõem com exércitos e não com o poder da hipnose sobre as massas. Tenho a certeza que as características positivas deste tipo de compreensão estão intimamente ligadas ao desenvolvimento da psicoterapia e da psicanálise, porém, até agora, só pudemos conhecer a pior face de Plutão.
Todos os planetas têm sua face escura e sua face iluminada.
(…)
Mas, seja como for, acho que a eclosão do autoritarismo nos anos 30 é relevante para o conhecimento do caráter de Plutão.”
(‘Os planetas exteriores e seus ciclos – Uma astrologia do coletivo’, Liz Greene, tradução de Nazaré Abreu e Christianne Rossi, 1983)

SATURNO NOS ENCARA

10/07/2015

EVOLUÇÃO DE ANGULAÇÃO DE SATURNO EM RELAÇÃO À TERRA NOS ÚLTIMOS SEIS ANOS.

Fotos e texto: Rafael Defavari – De Campinas – SP

Esta imagem mostra a evolução da angulação de Saturno em relação a Terra ao longo dos últimos 6 anos, desde quando comecei na fotografia, entre dez/2010 e abril/2015.
Os pontos claros próximo ao planeta são algumas de suas luas “intrusas” que aparecem entre uma foto e outra.
Apesar da baixa qualidade das primeiras imagens, é possível visualizar uma mancha branca na atmosfera de Saturno na primeira foto – esta foi a grande tempestade de 2010, e foi possível de ser observada daqui da Terra durante alguns meses nesta época.
A diferença de qualidade entre as imagens e os anos é causada principalmente pela mudança de equipamentos e aprendizado de técnica durante este tempo, além da variação da turbulência atmosférica.
Equipamentos:
2010 – William Optics Megrez 90ED + Canon EOS 1000D
2011 – Celestron C8 + Canon EOS 1000D
2012 em diante – C8 + DBK21AU618.AS
________________________________
6 years of Saturn
This image shows the tilting of Saturn towards Earth during the last 6 years – between Dec/2010 and April/2015 – since I started in astrophotography.
The bright spots near the planet’s disk are some of its closest moons, appearing between the images. Despite the low quality of the first image, it is possible to observe a white smudge at Saturn’s atmosphere – that was the great 2010 storm, that could be observed during a few months from Earth through telescopes.
The difference in quality between the images is due equipment upgrades and improvement of capture and processing techniques.
SATURNO NOS ENCARA

via Aldenir Gomes “Acreditem ou não, chegará um momento em que vocês fecharão as portas ao modo de vida que vocês conhecem hoje. Literalmente, você abandonará a casa que você tem e talvez saia dela com poucas coisas. Você estará seguindo o Espírito. O Espírito entrará para lhe dizer o que é mais importante para sua sobrevivência. Alguns de vocês, nesta vida estarão literalmente na porta de suas casas, então olharão para dentro de si, e nesse momento tudo vai deixar de ter sentido, porque o mais importante serão os valores espirituais e sua vida. E todos os bens materiais, todas aquelas coleções de coisas, todas as contas e toda a vida vai significar nada à luz do que virá.”

10/07/2015